segunda-feira, 2 de março de 2009

PRESTEM ATENÇÃO A ESSA FÃ

Tomei a liberdade de publicar este texto abaixo. Ela perdeu o marido em um assalto há alguns meses.


Para O RAPPA,
O real motivo deste texto é em primeiro lugar demonstrar todo meu carinho e agradecimento por tantos anos fazerem parte da trilha sonora da minha vida e a do meu eterno e grande amor! Sei que não sou a única.
E depois na tentativa de causar e fazer barulho contra toda essa violência que somos obrigados a conviver e aceitar... E perdoar, perdoar, uma pessoa que acaba com a vida de alguém em 1 segundo. Acredito hoje que vocês são os maiores porta-vozes contra tudo isso!
...Principalmente por termos tido a oportunidade de um mês antes de tudo acontecer ir ao show de lançamento do cd novo, no dia seguinte já bombava na casa inteira “7x”.
Foi a trilha sonora da casa nova que tive a oportunidade de morar durante 1 mês!
Não sei se consigo expressar todo meu sentimento em relação as músicas e a banda, mas quero poder dizer que entre milhares de fãs, vocês marcaram uma vida incrível que tive ao lado de quem pra mim foi o melhor homem do mundo, tomamos muitas porradas da vida, superamos preconceitos de todos os lados, e mesmo não tendo o apoio geral de todos nossos familiares, nunca desistimos um do outro, e quando algo ruim acontecia, levantávamos a cabeça e seguíamos em frente.
Falo por mim e por ele, pois sei que onde quer que ele esteja agora, está orgulhoso de saber que eu fui atrás da banda que ele mais curtia na vida e de poder demonstrar o quanto vocês são importantes. Tenho certeza que se hoje ele pudesse dizer alguma coisa seria que vocês são foda!
Agradeço imensamente por existir pessoas que como vocês, vibram nos corações e que dão forças para continuarem a lutar e sobreviver num país como o Brasil, através da música.
Espero que isso chegue às mãos de todos vocês e saibam que só de terem lido o meu texto, pra mim é uma vitória!
Aproveito também para agradecer o Marcos e a Evelyn que desde o início me deram apoio e abriram as portas para que isso fosse possível!
Desejo a todos vocês um ano de muita luz e muita PAZ!
Obrigada!
Abraços,
Deborah Di Cianni



Respeito pela mais bela

Ela se olha no espelho e pensa: “eu estaria melhor se ele estivesse comigo”, mas logo se dá conta de que está atrasada e corre para o carro. Não queria se atrasar. Bem próximo do local do show, ela já ouve algum ruído e seu coração dispara. Mesmo sem identificar a música, é imediatamente invadida por uma boa sensação. Sensação de lar, de reconhecimento. Ainda assim, ela pensa, realmente era melhor não estar sozinha.
O show começa e as pessoas cantam, dançam e se divertem. Ela está sozinha e se sente sozinha. Os primeiros acordes de “7x” aparecem e ela pensa no quanto gostava dele. E no quanto eles gostavam da banda. Pensa no dia que antecedeu tudo o que aconteceu. Nesse dia, no carro, voltando de um dia espetacular na praia, ele a explicava, pacientemente, a letra de “Em busca do Porrão”. Pensa que naquele momento ela poderia (e deveria) ter gritado o quanto o amava. Porém, alguém passa e lhe esbarra, e como que acordada de um sonho, percebe que está ali no show, no meio de muita gente desconhecida. Sozinha.
Ainda sozinha volta a lembrar dele. Lembra do dia que finalmente fizeram a mudança para a casa que agora sim, era deles. Lembra do quanto se abraçaram e comemoraram mais essa vitória. Lembra da sensação de alívio que teve por estar na sua casa com o cara que ela amava, depois de tanta luta. Nessas horas, lembra que ele sempre falava: “a gente já levou muita onda na cabeça, meu amor....agora a gente vai pegar um tubão, você vai ver.”
Infelizmente o sorriso no rosto por lembrar dele já não se sustentava. Ela esquece de onde está, esquece da multidão, esquece de tudo. Só consegue lembrar do dia que tudo aconteceu. Agora o sorriso é choro, é dor. A mesma sensação horrível que a persegue desde então, reaparece. As memórias não são tão lineares, mas aquela sensação....ela consegue lembrar que acordou naquele dia com o toque do telefone. Era ele ordenando que ela acordasse e fosse aproveitar o dia. Fazia sol, depois de muito tempo cinza na nova casinha. Ela obedeceu e foi aproveitar o dia. Realmente o dia estava lindo.
Um pouco depois ele apareceu. Tinha fugido do trabalho, que era perto de casa, para dar um beijo na sua mulher e filha, uma linda cachorrinha de nome Tica. E isso era o que ela mais adorava nele. Espírito livre desse cara, ela pensava. E ele brincava e mergulhava e ria muito. Ela realmente adorava isso nele. Nem estranhou quando ele foi embora sem dar beijo, pois iriam se ver dali a pouco. Pois ele, para brincar, ameaçou que ia embora, voltou, olhou muito pra ela e sorriu. Ela sorriu mais ainda porque ele estava especialmente lindo naquele dia.
No horário combinado, ela ligou no celular dele e não teve resposta. Fez isso durante uma hora. Já bastante ansiosa, continuou tentando no celular, ao mesmo tempo em que ligava para o trabalho dele e até para a família, mas não conseguiu, novamente, falar com ninguém. Depois de 1hora e 41 minutos, uma pessoa identificada como delegado de polícia (e apenas isso), atendeu o celular e disse que estava fazendo uma ocorrência do tal rapaz, dono do tal telefone. Ela, assustada, pediu para falar com o marido, mas ouviu que ele não poderia falar no momento, pois havia sofrido um acidente, sem identificar qual.
Tentando manter o que sobrara de sua calma, correu até o trabalho dele, acreditando que poderia encontrá-lo para esclarecer toda a história. Que acidente? Que acidente? Era nisso e apenas nisso que ela pensava. Mas o que encontrou foi o carro deles, parado, assombrosamente parado ao lado de uma viatura e de um policial nitidamente despreparado para o cargo. Esse policial, ao lado de um maldito cordão de isolamento, e em um súbito esquecimento dos valores humanos, diante de uma menina chorosa e apavorada, apenas sentenciou o inacreditável, em meio a um sorriso medíocre: faleceu.
Seu mundo despencava sem piedade, e ela, segurando o último fio de qualquer racionalidade, não acreditava na história que as pessoas que estavam ali presentes contavam: seu homem (o seu amor, meu Deus) sofreu uma tentativa de assalto e foi baleado covardemente por um cara que estava na garupa de uma moto, que fugiu. O tiro atravessou o seu pulmão e coração. Pulmão e coração. Pulmão. O coração do seu amor. O coração.
E agora esse tiro tinha dilacerado o coração dela também, tinha rompido tudo, acabado com tudo. Agora era o coração dela que sangrava. Como, por favor, alguém explica, ali, no meio do dia, a luz do dia, embaixo do mesmo sol no qual ela tinha visto ele tão lindo se divertindo, bem ali, no mesmo mundo, um cara tinha baleado o seu amor.
Um cara tinha uma arma de fogo no meio do dia. Um cara deu um tiro no seu amor porque ele queria dinheiro, porque ele vive em uma sociedade injusta e impune, porque o seu amor estava ali, debaixo do mesmo sol, no mesmo mundo. Mas agora ele não estava mais ali. Agora ele não está mais ali e não está mais porque existe impunidade, porque existe fácil acesso à criminalidade, a qualquer coisa ilegal, porque as pessoas compram armas para se proteger, do que? E de quem? Começa na bagunça que está instalada no governo e acaba na bala que furou o coração e o pulmão do seu amor. E agora furou o seu coração também. Furou o coração de uma família inteira, de uma vida inteira, de milhares de famílias. Furou o coração de milhares de amigos. Porque seu coração não bate mais igual. Seu coração perdeu a metade, seu coração bate pela metade, com uma bala no meio, Financiada pela impunidade do Brasil. Pela impunidade ao assassino do amor de uma garota de 23 anos, cujo coração bate só pela metade.
(...)
Chorando muito, olhou pros lados e lembrou que estava no show. Já não podia evitar toda aquela dor, apenas acalmá-la com um pouco de lembrança boa. Era isso que a sustentava, por fim. Pois foi ao som de Pescador de Ilusões, música que tocava quando eles se conheceram, que ela recordou o primeiro dia que viu o cara que ia mudar sua vida pra sempre: no dia 25 de novembro de 2004, às 23 horas, 45 minutos e 36 segundos, ela esbarrou em alguém que estava ali simplesmente para fazer dela a mulher mais feliz do mundo. Com a certeza inexplicável que só os grandes amores podem ter, não restou mais nada a ser dito naquele momento, diante dele (sim, era ele!) senão a frase de constatação do encontro perfeito: “ah, então é você!”.

21 comentários:

Flávio disse...

Só Deus!!!Só Deus!!!

Gabriel, Jú e Robertinho disse...

graças a Deus tivemos o mesmo episodio só que final diferente,dia 29/01 fui ao banco com minha esposa,saquei uma quantia ,fui até o estacionamento peguei o carro e fui p/ empresa pois havia esquecido um documento,ao entrar metade do corpo para dentro da firma senti um solavanco no ombro ,ao virar dei de frente com uma arma na cara,isso foi ao meio dia ,em uma rua movimentada. 2 muleques de moto um sem capacete no meio de todos como se fosse comprar carne no mercado levaram o dinheiro que eu havia sacado,graças a Deus não tive reação,mas minha esposa até hoje não foi ao banco novamente.
isso é infelismente o brasil,mas quando morre um policial como essa semana, o garra envia 200 policias p/fazer o cerco e mostra o bandido como trofel,legal mas acho que essa ação deveria ser para todos os casos, não ser como foi, um caso isolado.

robertinho.

Caroline disse...

Despois de ler um texto desses a coisa mais surreal que tem é admitir que tudo que se leu é verdade e que histórias assim já são banais, mas a resposta para o fim desse caos não é esconder a bolsa quando avistar um cidadão mal encarado ou criticar a polícia. Criticar o problema é apenas uma das armas que se tem, será que as pessoas sabem usar as armas que têm? O Rappa usa a música, mas como o eleitor gasta o seu voto? Como a professora usa a persuasão? Como o pai aplica a autoridade? Como a mãe expressa o afeto? Como o irmão mais velho usa a influência? São as respostas de perguntas como essas que definem a sociedade! Tu segues a teoria do "só acontece com o vizinho" pra empurrar esse caos com a barriga e acaba esquecendo que pra eles o vizinho é tu!!

Evelyn disse...

Deborah,

Confesso que qdo li sua carta pela primeira vez chorei...e agora relendo aqui no post...chorei novamente!

Coisas como essa nunca devem ser banalizadas.

te conheço muito pouco mas sei que tem alegria em viver e te admiro por isso, a forma como tem superado esta grande perda.

Feliz por esta carta ter chegado a "quem é de direito", e mais feliz ainda por saber da sensibilidade dessa banda!

Apesar do seu coração bater pela metade, sei que ele é forte o suficiente para seguir em frente, sempre do lado do bem e buscando a sua felicidade, porque é assim que tem ser...

Espero nos encontrarmos novamente dia 28, e vc sabe que mesmo sem combinar a gente vai se esbarrar!

sorte!
Evelyn

.:r U b i L i N A:. disse...

DEBORAH,

NÃO SEI SE VC EH CRISTÃ, SE ACREDITA EM DEUS, OU NUMA FORÇA MAIOR. MAS QUANDO LI O POST DE SUA CARTA ME VEIO NA KBÇA O SALMO 23, ME PARECE RETRATAR ESSE MOMENTO DIFÍCIL Q VC DEVE ESTAR PASSANDO! PEÇO A LICENÇA DE TODOS (RESPEITANDO RELIGIÕES, CREDOS E FÉ DE TODOS Q AQUI ACESSAM) PARA POSTA ESSE SALMO.

" O Senhor é o meu Pastor, nada me faltará. Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente às águas tranquilas;

Refrigera a minha alma, guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome,

Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte não temeria mal algum, porque tu estás comigo,
a tua vara e o teu cajado me consolam;

Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda;

Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias de minha vida, e habitarei na casa do Senhor por longos dias."

FORÇA!

Mossoroense disse...

Deborah Di Cianni,

Antes de qualquer coisa, queria te falar, que por mais cruel, mais trágico e mais difícil que possa ter sido, maior que isso é a vontade dele de te ver feliz alegre e seguindo em frente, vendo que mesmo sem ele vc esta superando mais um baixo.
Sei também que pra quem fala é fácil, difícil é estar vivendo, mas creio na força de vontade e na fé em Deus que tudo será superado, sempre, por mais difícil que seja, tenha fé, tenha vontade, siga sua vida, que tudo irá ficar bem.
Força, coragem, você tem uma vida pela frente!

A respeito da violência, da impunidade que existe em nosso pais, uma coisa que mais me deixa puto, é ver nas pessoas a banalização, viver nesse medo, em meio a essa violência, fechando suas casas, fechando suas vidas, escondendo suas bolsas e isso tudo se tornando normal. "Ah, é a violência!"
Isso sim me deixa puto da vida,e sem perspectiva de melhoras, moro em uma cidade com pouco mais de 200mil habitantes e tristemente acompanho a transformação, tudo aquilo que só viamos nos jornais, na tv, acontecendo aqui também, e a banalização, a terrivel aceitação da população se faz presente também.

Força, coragem!

Salve salve a todos,



Valeu

Costa Neto

Karina disse...

Aiiii... chorando.... aliás, e como! Não conseguindo sequer imaginar passar por uma dor dessas.

Sem palavras....

beijokas

gh_rocha disse...

Conheci minha esposa e algunsd os melhores amigos graças ao Rappa. Minha vida mudou graças aos caras. Fico feliz por voce encontrar conforto no amor que ambos sentiam no encontro com o que a banda nos proporciona.
Sou carioca, apaixonado pelo rio e vivo achando cada dia mais dificil estar aqui. A violencia, descaso despreparo, abandono, banalizacao e tudo mais so aumenta no nosso pais. É muito dificil ser correto. Veja bem: é cada dia mais dificil ser correto. E isso é frustrante demais.
Deborah, Deus te conforte sempre e parabens pela personalidade e boa índole.

Abs
Gustavo Rocha

Karina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Karina disse...

Deborah

Mesmo com o coração sem esperança, mesmo sem saber exatamente como dar o primeiro passo, mesmo achando que um esforço individual não serve para nada,é preciso ter forças.

Fiquei sem palavras diante do seu texto.

Muita luz pra vc!!!

bjks

*kaka*

Fafá Mineira disse...

Boa Tarde

Deborah, depois de ler seus relatos, sentimentos (que senti daqui), só aumentou mais ainda minha indignação do que anda acontecedo pelo nosso país, pelo mundo.

Fico impressionada quanto nosso país tem tudo para ser lindo, de convivência pacífica, de direitos iguais, todos buscando sua felicidade, sua individualidade, sua essência!!

Infelizmente atos como esses, obrigatoriamente interrompem nossa busca pela felicidade e pior, né? Que nos fazem desacreditar no sentido da vida. Como um indivíduo pode tirar a vida de alguém? Assim? Sem sequer pensar nas consequências, nas dores causadas ao próximo, seu semelhante. (fica no ar...)

Sinto comigo, que uma parte sua desabrochou, que desanimou... mas ao mesmo tempo, lendo o que você escreveu, me fez ter fé, ver a bondade das pessoas, que mesmo oprimidas, desconsoladas, tentando entender os motivos para tantos sofrimentos, ainda arrumam, lá no fundo, forças para seguir em frente e renovar... viver novamente!

Eu penso comigo que mesmo as coisas ruins que acontecem na vida de cada um, se tira um lado bom. Tudo na vida, tem seu lado bom e ruim...

E o lado bom que vejo em você, é essa volta por cima (só por ter tido força em relatar, se expressar... Estou suando daqui, não sei se por nevorsismo, emoção, calor... juntou tudo).

Vejo não só em você, mas em cada pessoa que compartilha com a gente, como tem sido difícil viver em paz, com tranquilidade e sossego.

Acontecimentos como esses só tem me deixado cada dia mais confusa, inquieta, impaciente, indignada, mobilizada. Ando matutando muita coisa em relação ao mundo, ás pessoas...

O que será do Brasil daqui 20 anos? Será que vamos sair às ruas e ver tudo em nossa volta caótico? Gente roubando, matando... e como comentaram, normalmente observando e dizendo: "Ah, é a violência!".

Será que é esse o nosso futuro?

Será que queremos isso mesmo? Pra gente? Pros nossos filhos?

Enquanto não houver leis quem valem para TODOS, os que sofrem, somos nós mesmos, os honestos, batalhadores. Aqueles que querem viver em paz, contituírem família com tranquilidade, tendo boa educação para nossas crianças, melhores distribuíções de nossas riquezas... Infelizmente minha visão é essa, vai daqui para pior.

Enquanto não mobilizarmos, protestarmos, DAR NOSSO GRITO DE BASTA nesses que estão no poder, enchendo o rabo de dinheiro NOSSO e os outros que se lasquem.

Tô indignida, sim... Pelo os que nos abrigam a ser, pelo os que nos induzem a fazer, pelo os que nos obrigam a aceitar, pelo os que querem VETAR o que pensamos/aprendemos.

Enquanto tivermos vendo isso todos os dias nos noticiários; pais estuprando filhas, homens esquartejando exposas, tráfico tomando conta da sociedade, homicídios horrendos de civis. Vendo, babando... babando... Nada vai adiantar!!

Estamos todos nessa vida por um único fundamento: viver em paz!!

E essa paz, que nós honestos, temos que buscar!! Não podemos mais ficar parados. Tá virando uma bola de neve isso... E os que estão USURPIANDO de dinheiro, o nosso dinheiro, para fins pessoais, ao invés de produzir para geral, tão nem um pouco preocupados com a situação nossa (que um dia vai chegar a ser deles também, porque afinal de contas, dinheiro eles tem, mas tão no sistema também)... nada vai mudar!!

CHEGA DE FICAR BABANDO E ACHANDO QUE TUDO ISSO É "NORMAL"... Vamos nos mobilizar... Vamos passar para a frente seu relato, vamos mudar essa visão...

Deborah, muita paz e luz no seu coração. JAMAIS se esqueça o motivo de você estar aqui, e mais ainda para ter força na sua MISSÃO, mais que nunca, te chama agora!!

Beijinhossss, paz

;o)

Rosana Candido disse...

Força Deborah!

Tenho certeza q seu amor esta desejando isso pra vc o tempo todo e ele merece essa força retribuída por que te ensinou o q é amar, amar a musica, amar as pessoas e iluminou sua vida!

Apesar da violência a nossa volta ele te deixou o melhor q alguém pode dar, AMOR, na verdade é a única coisa q pode salvar o mundo!

Força novamente e amor é isso!

dehdlok disse...

Estou em choque!! Emocionada de verdade e extremamente agradecida pela minha história estar aqui! Sou eternamente agradecida a Evelyn ao Marcos e ao RAPPA. Sábado é meu aniversário e será o primeiro sem ele... Depois de ler os comentários e lembrar que ainda existem pessoas boas e com fé nesse mundo, passarei o dia com a sensação de além de dever cumprido, a sensação de que existe esperança para as pessoas! Obrigada à todos vocês que deixaram essa palavras pra mim, obrigada mesmo, isso é muito significativo e especial!
PAZ,
Deborah
* Não estou em condição de escever nada ainda, volto logo logo para comentar...

dehdlok disse...

Ah!!! como não agradeci à vc Lobato!!! por ter feito isso por mim!!! Obrigada de coração! Nossa!!! to muito emocionada!
bjos

Robi O Rappa disse...

Meu Deus, sem palavras...

Força Débora!

Robi Fanrappa

Fabi disse...

Confesso que me emocionei...com a sua carta!!!
Mas o único conforto mesmo é saber que ele está em boa companhia...com o nosso pai lá de cima!!! E tomando conta de vc!

Q vc tenha muita força, perseverança...e nunca perca a sua fé...pois DEUS com certeza está lhe preparando algo de muito bom...pois a perda de algúem q amamos..é algo que não se descreve...só sente...
Um super beeijo

Fabi=)

fran disse...

Só Deus e ela sabe a dor que paira sobre o coraçao dela neste momento.. e nada acontece por acaso, lute, lute, lute por tudo, nao perca as esperanças em nada, Deus está te segurando no colo.

Luciano disse...

lamentável...
a gente viver num país maravilhos, cheio de belezas naturais, construir uma vida ao lado de quem amamos...
...e ficar à mercê de bandidos com arma na mão e de bandidos de terno e gravata tbm!!
simplesmente, lamentável!!

Luciano de Araújo
Petrópolis-RJ

FERNANDO disse...

Sra.DEBORAH,

Imagino que vc tenha ouvido ou lido a enigmatica frase" Até qdo ?

Infelismente somos refens do sistema, sistema este(Que ao logo do meus 30 anos ainda nãio compreendi)que fez sofrer, e faz sofrer alguém neste presente momento.

Que os mestres de luz te abençõem

Abs,

O Fê !

Gisele disse...

As lágrimas que caem são de esperança e revolta. Esperança por fazer algo e revolta por quem ainda permite situações como estas. Aonde está o raciocínio do ser humano? Ah, o filosofo ja dizia, "É a sociedade que os corrompe", quem é a sociedade se não nós todos? É por um apelo como esses, mudar a si para mudar o todo.


Força.

Prrg disse...

Força Debora.